04.07.18 Observatório Psicanalítico 58/2018

Ensaios sobre acontecimentos sociais, culturais e políticos do Brasil e do mundo.

  

Bion 2018: pensamentos selvagens

Paulo de Moraes Mendonça Ribeiro

 

A Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto terá a honra de sediar no final de Julho próximo, o ENCONTRO INTERNACIONAL BION 2018 que, nesta edição, escolhemos como tema PENSAMENTOS SELVAGENS.

Nossa Sociedade sofreu grande influência do pensamento de Bion desde a sua origem, em grande parte graças ao colega José Américo Junqueira de Mattos, que teve a experiência ímpar de análise pessoal com Bion e nos trouxe – de forma apaixonada – as suas ideias originais.

Como sabemos, Bion foi um psicanalista clínico atípico, turbulento, que dialogou livremente com os campos da Filosofia, Matemática, Física Quântica, Literatura e Ciências Humanas, gerando um estilo original de transmissão do seu pensamento, e repercutindo enormemente na evolução dos instrumentais clínicos e teóricos utilizados pelos analistas contemporâneos.

Existem ainda sérias controvérsias sobre muitos de seus conceitos e de sua técnica de trabalho psicanalítico, mas cremos ser um consenso ser ele um autor que merece estudos aprofundados de sua obra, cuja natureza a faz constantemente renovada. A cada releitura de um trabalho seu – e elas podem ser muitas! – encontramos novos vértices de pensamento, graças à forma insaturada e criativa com a qual concebeu suas teorias. O que muitas vezes é criticado como “escrita precária”, a nós nos remete à “linguagem de êxito”!

Por esses e outros motivos, há 25 anos, sua inquietação se materializou no primeiro Encontro Internacional sobre as ideias de Bion, que ocorreu em Amsterdã. Seguiram-se encontros em outros tantos países, tais como: Argentina, Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos da América, França, Marrocos e Itália. Consagrados pela sua consistência científica, estes Encontros procuram desenvolver uma política inclusiva, de ampla participação dos colegas; privilegia-se o trabalho em pequenos grupos, intimistas, visando manter a universalidade, a abertura e a ausência de sectarismo, que caracterizam o pensar de Bion. Abre-se, assim, espaço para dimensões menos lineares, sustentando a perspectiva de aprofundamento e expansão de ideias impactantes, desconcertantes e, esperamos, fundamentalmente transformadoras.

Nesta linha de reflexão, a SBPRP idealizou um Congresso no qual privilegiaremos um diálogo horizontal entre as pessoas, como ocorre no setting analítico, no qual, embora com funções diferentes em cena, há duas pessoas igualmente interessadas em investigar o desconhecido, o “selvagem”. Nesta edição do Encontro, a função de todos os colegas participantes será equalizada, não teremos conferências magnas ou ênfase na exposição teórica de trabalhos científicos ou premiações de qualquer natureza. Seremos todos chamados para formar um “grupo de trabalho” democrático no qual emergirão espontaneamente lideranças científicas transientes, cuja função será estimular e fazer circular o pensamento clínico-científico inspirado em Bion.

O tema do Encontro, extraído do texto “Domesticando Pensamentos Selvagens” (Bion, 1977) foi concebido em 1977 na forma de uma conferência a ser proferida em Roma, Itália. Bion a gravou em fita K7 como preparação para a palestra e, anos depois, sua esposa Francesca editou a gravação e publicou o texto no livro homônimo. Nesta época, Bion já estava no final de sua vida e de sua obra, faleceria dois anos depois, em Oxford, aos 82 anos, vítima de uma leucemia fulminante que lhe acometeu no meio de uma viagem de férias à Índia, sua terra natal. Podemos conceber este precioso texto como uma espécie de herança que ele nos deixou, um legado sobre como ele experimentou a ciência que nos foi trazida por Freud – a Psicanálise – e a desenvolveu de forma absolutamente pessoal e singular ao longo de sua vida.

No texto, em um tom relaxado, reflexivo e meditativo, Bion se apresentou para sua plateia imaginária “jogando tempo fora”, pensando de uma forma “quase descuidada” para, após flanar suficientemente, a esmo, sem direção, então verificar o produto de sua “pescaria ociosa”. Entretanto, como refere Francesca Bion na sua Introdução ao texto, “estas cogitações verbais estão longe das ruminações preguiçosas de um sonhador diurno, elas são claras, perspicazes, disciplinadas e coloridas com seu sutil senso de humor pessoal.” Segundo ela, “é assim que os pensamentos selvagens ganham domesticação e que os pensamentos extraviados ganham um lar.”

Esperamos que no Encontro Internacional BION 2018 muitos “pensamentos selvagens” brotem e que pelo menos alguns deles possam evoluir para uma saudável ‘domesticação’!

Para maiores informações, sugerimos visitar o Site e o Blog do Encontro: SITE: http://www.bion2018.com.br/index.php

BLOG: https://bion2018.com/category/linha-do-tempo-time-line/

 

Os textos publicados são de responsabilidade de seus autores.