25.10 MANIFESTO FEBRAPSI CONTRA A VIOLÊNCIA E PELA DIGNIDADE HUMANA

Nós psicanalistas da FEBRAPSI – Federação Brasileira de Psicanálise estamos profundamente preocupados com os violentos acontecimentos que afetam nossos irmãos latino-americanos. Mas não somente eles. Em vários pontos do nosso Planeta Terra testemunhamos um grito de basta!

E basta de que? Basta de tantas injustiças sociais! Basta de presenciarmos diariamente, em nossas sociedades, pessoas sofrendo sem as mínimas condições de uma vida digna para si e/ou seus familiares. Chile, Equador, Venezuela, Hong Kong, Líbano, para citar apenas alguns dos lugares que nesse momento enfrentam importantes convulsões sociais, demonstram quão insatisfeitas e fartas estão as pessoas.

Por que esses eventos acontecem e se propagam em nosso e outros continentes, podemos nos perguntar. A história sempre testemunhou o ódio, a violência, os abusos contra a vida e a dignidade humanas, e as reações contra traumáticas condutas que violentam indivíduos e sociedades. Parece que neste momento, devido à facilidade instantânea das tecnologias virtuais, o homem, cansado de reclamar solitariamente ou em pequenos grupos, encontrou uma maneira de se fazer ouvir de forma mais contundente, em grandes grupos convocados nas mídias sociais.

Se os governantes não prestarem atenção a essas manifestações, poderemos ter consequências mais graves e destrutivas. A desigualdade social, que desde sempre foi um problema significativo na história dos homens, agora encontrou uma ferramenta de alcance jamais pensado no passado.

Como psicanalistas, é importante que não sejamos testemunhas silenciosas desses acontecimentos. Sabemos que quando a esperança de ser ouvido se esvanece, o homem recorre à violência, o que não desejamos. Ao contrário: nós a rechaçamos. Para que a paz tenha lugar em nossas sociedades, é fundamental restaurar a confiança e a esperança de dias melhores.

Nosso manifesto pretende reforçar, com palavras, sem violência, mas contundente, que os governos e os políticos em geral ouçam o clamor das ruas. Somente assim poderemos ser verdadeiramente livres.

 

Anette Blaya Luz

Presidente da FEBRAPSI

 

Cláudia Carneiro

Diretora de Publicações e Divulgação