09.03.20 Observatório Psicanalítico – 148/2020

Ensaios sobre acontecimentos sociais, culturais e políticos do Brasil e do mundo 

Feminicídio e cultura*

 

Daniela Yglesias de Castro Prieto (SPBsb)

 

Freud, ao longo da sua obra, associa o masculino e o feminino com as posições ativa e passiva, presentes nas subjetividades quer seja do homem ou da mulher. A flexibilidade para alternar entre essas posições favorece a integração destes aspectos no sujeito e torna mais provável o estabelecimento de boas relações. 

 

Vemos, na nossa cultura, a valorização do ativo, aquele que assume o lugar de potência, que comanda e que age. O passivo, em sua possibilidade de acolhimento, capacidade de espera e de processamento é, em geral, pouco valorizado. 

 

O engajamento das mulheres no mundo do trabalho não garantiu a elas uma posição de igualdade nas relações amorosas e sexuais, em especial, nos relacionamentos heteroafetivos. A violência física contra mulheres e o assassinato delas perpetrado por seus parceiros aparecem como a ponta do iceberg de uma violência que se mantém a maior parte do tempo invisível para os outros. Aqueles que não fazem parte da relação abusiva quase não percebem a gravidade do que se passa.

 

A violência física contra as mulheres geralmente aparece quando a violência simbólica falhou em manter o controle, a submissão desejada pelo homem, conforme Hirigoyen, em “A violência no casal. Da coação psicológica à agressão física”, 2006. 

 

Essa busca da submissão faz pensar em um excesso do ativo, em uma busca do controle sobre o outro, que é percebido como um objeto e não como um sujeito de desejos. Trata-se de uma perversão da agressividade e uma tentativa de negação do outro como sujeito desejante. Negação de seu lugar como sujeito separado e portador de desejos. A transformação em objeto caracteriza sua absoluta negação, o que pode inclusive se dar pelo assassinato.            

 

Uma questão que se coloca é no porquê as mulheres submetidas à violência têm dificuldade de sair dessa posição de passividade extrema. A questão da dependência financeira está presente em muitos casos, mas não esgota o problema. Ressalto o “dispositivo amoroso”, conforme posposto por Zanello em “Saúde mental, gênero e dispositivos. Cultura e processos de subjetivação”, 2017, em que ter sido escolhida e ser objeto de investimento amoroso tem sobre a mulher, muitas vezes, um papel identitário. Nesse sentido, envolve a percepção de si como objeto de valor. Esta pode se tornar uma armadilha em que mulheres se mantém em relações violentas porque não estar com um homem é percebido como algo insuportável para sua autoimagem. Seria ocupar um lugar desqualificado e esvaziado. Muitas se mantém nessas relações violentas, contém a própria agressividade e deslocam-na para si mesmas e percebem a manutenção da relação como forma de refúgio narcísico. Algumas delas morrem nesse jogo desesperado, enquanto não percebem a iminência da morte.

 

Em meio a uma cultura marcada pela misoginia, o desmantelamento das políticas e dos serviços públicos de apoio às mulheres vítimas de violência por seus parceiros levou ao aumento de feminicídios no Brasil nos últimos anos.

 

*Trabalho apresentado no Congresso da IPA, Londres, em julho de 2019, na mesa sobre Gender War.

 

(Os textos publicados são de responsabilidade de seus autores).

 

Colega, click no link abaixo para debater o assunto com os leitores da nossa página no Facebook. 

 

https://www.facebook.com/252098498261587/posts/1585848981553192/?d=n

 

Os ensaios também são postados no site da Febrapsi. Clique no link abaixo:

 

https://www.febrapsi.org/observatorio-psicanalitico/