01.08.18 Observatório Psicanalítico 62/2018

Ensaios sobre acontecimentos sociais, culturais e políticos do Brasil e do mundo.

 

Pensamentos Selvagens

 

Gisèle Brito (SBPSP e SBPMG) 

                                                

“Pode ser que nós estejamos lidando com coisas que são tão sutis a ponto de serem virtualmente imperceptíveis, mas que são tão reais que poderiam nos destruir e quase que sem a nossa consciência. Esta é a espécie de área na qual nós temos que penetrar.” Bion, (1976, Emotional Turbulence).

 

Nos seus últimos trabalhos, entre 1976 -1979, Bion conjectura e delineia a existência de uma mente primordial. Essa mente primordial faz parte do Self, que compreende corpo e mente. Seu vértice de observação é somato-psíquico, supõe todo o tempo a existência de trocas, comunicações de um campo para o outro. Junqueira & Braga (2009), em Consciência Moral Primitiva: um vislumbre da mente primordial, destacam que adimensão da mente primordial compreende os ‘pensamentos sem dono’, os ‘pensamentos sem pensador’, assim como os sentimentos de sermos ‘sós e inteiramente dependentes’, a consciência moral primitiva e o ‘urge para existir’. Bionconjectura que essa mente primordial teria seu desenvolvimento enraizado no funcionamento cerebral, glandular, ainda antes do nascimento, e que nos ficaria inacessível com a cesura do nascimento. A epígrafe acima delineia a área que estamos investigando, a dos pensamentos não nascidos para a mente, a dos pensamentos sem pensador, a dos pensamentos selvagens.

 

Ao mesmo tempo em que Bion destaca a inacessibilidade dessas experiências pré-natais, parece acreditar que as mesmas deixaram traços, vestígios sob a forma de sentimentos hostis transformados em proto-ideias. Ou seja, o feto a termo poderia sim ter uma mente, uma personalidade.

 

Bion (1977), em Domesticando Pensamentos Selvagens, define os pensamentos selvagens como um “pensamento extraviado”, uma das formas de pensamento “sem pensador”,  pertencentes à área denominada por ele de mente primordial. Pensamento selvagem é o nome dado por Bion a um pensamento que precisa ser domesticado para ser incorporado pela pessoa. Pode emergir como ‘sonhos estranhos’ em busca de um pensador para sonhá-los. Estes pensamentos poderão ou não ser acolhidos, seja pela mente do paciente, seja pela do analista. Vai depender da condição da dupla de desenvolver uma continência para que as vivências terríficas possam ser contidas e vivenciadas, naquele momento do encontro analítico. Ou seja, somos vividos pelo pensamento e só podemos conhecê-lo à medida em que nos colocamos unos a ele. O conhecimento é adquirido pela vivência no aprender com a experiência e não pela informação.

 

Segundo Bion, podemos fazer uso desses restos do passado que emergem sob a forma de estados de mente arcaicos, como as fendas branquiais e caudas vestigiais, se pudermos discerni-los no presente. Estes seriam vestígios mentais arcaicos como terror, culpa, vivências dolorosíssimas que impõem profundo sofrimento psíquico. Estamos diante de uma dimensão de mente inacessível, que opera na fronteira entre corpo e mente e da qual encontramos vestígios nas “associações” do paciente. Será que esses vestígios, “pensamentos”, não poderiam ser um conhecimento inconsciente que irrompe na mente? Algo inconsciente (filogenético) ganharia nosso sistema consciente/inconsciente? O Id, como o grande caldeirão de impressões, pré-concepções? Ou ainda, ‘pensamentos sem dono e ‘pensamentos selvagens’ seriam formas com que esta mente primordial ganharia nosso sistema consciente/inconsciente. Estas são conjecturas que proponho pensar com vocês.

 

Toda essa área será objeto de investigação e reflexão no evento Internacional de Bion, nos próximos dias 26 a 28/07 em Ribeirão Preto, patrocinado pela Sociedade Brasileira de Psicanálise de Ribeirão Preto.

 

(Os textos publicados são de responsabilidade de seus autores).